setembro amarelo


Prevenção ao suicídio








A Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Saúde, durante todo o mês de setembro irá promover ações e eventos para conscientização de prevenção ao suicídio. O objetivo é abrir espaço para debates, além de divulgar o tema e alertar a população sobre o problema. 

 

Atualmente o suicídio é um problema de saúde pública no Brasil e a ocorrência tem crescido assustadoramente, principalmente entre os jovens. De acordo com os números oficiais do Ministério da Saúde cerca de 30 pessoas se matam por dia, uma taxa maior que as vítimas de AIDS e da maioria dos tipos de câncer.  

 

De acordo com a coordenadora do CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), Lidiana Vieira, a questão deve ser tratada com seriedade e todos devem estar dispostos e prontos para ajudar aos primeiros sinais. 

 

A equipe irá percorrer todas as unidades de Saúde, escolas e irá atuar numa blitz de conscientização, tudo para garantir que o maior número possível de pessoas tenham acesso ao material que pode ajudar na prevenção. 

 

 

1)    Pessoas sob risco de suicídio:

Comportamento retraído, dificuldade para se relacionar com a família e amigos;

 Casos de doença psiquiátrica;

Alcoolismo;

Ansiedade ou pânico;

Mudança na personalidade, irritabilidade, pessimismo, depressão ou apatia;

Mudança no hábito alimentar e de sono;

Tentativa e suicídio anterior;

Odiar-se, sentimento de culpa, de se sentir sem valor ou com vergonha por algo;

Perda recente importante – morte, divórcio, separação;

História familiar de suicídio;

Desejo súbito de concluir os afazeres pessoais, organizar documentos, escrever um testamento, etc.;

Sentimentos de solidão, importância. Desesperança;

Cartas de despedida; doença física crônica, limitante ou dolorosa;

Falar repentinamente em morte ou suicídio.

 

 

 

2)    Aspectos psicológicos no suicídio:

Três características da maioria das pessoas sob risco de suicídio:

1-    Ambivalência: quase sempre querem ao mesmo tempo alcançar a morte, mas também viver;

2-    Impulsividade: o suicídio pode ser um ato impulsivo desencadeado por eventos negativos do dia-a-dia;

3-    Rigidez: pensar de forma rígida e drástica (“tudo ou nada”); suicídio visto como única solução.

 

3)    Frases de alerta 

“Eu preferia estar morto”.

“Eu não posso fazer nada”.

“Eu não aguento mais”.

“Eu sou um perdedor e um peso pros outros”.

“Os outros vão ser mais felizes sem mim”.

 

4)    Sentimentos a serem observados: 

“4D”: Depressão, Desesperança, Desamparo, Desespero.

 

5)    Como ajudar a pessoa sob risco de suicídio?

Uma abordagem calma, aberta, de aceitação e de não-julgamento é fundamental para facilitar a comunicação.

Ouça com cordialidade.

Tenha empatia com as emoções da pessoa.

 

 

 

 

 

 










Rua Floriano Peixoto, 395 - Centro | CEP 38120 000 Tel. [34] 3321-0000 | CNPJ 18.428.854/0001-39